Notícias

Novo presidente da Câmara é aliado de Cunha e investigado pela Lava Jato

Novo presidente da Câmara é aliado de Cunha e investigado pela Lava Jato
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), perdeu o cargo na noite da última quarta-feira (4) por meio de uma liminar aceita pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), o que significa que ele ainda pode recorrer ao plenário da Casa. Quem assume o cargo temporariamente é o vice, o deputado Waldir Maranhão, do PP-MA, também citado na Lava Jato pelo doleiro Alberto Yousseff.

Maranhão teria sido um dos receptores de propina em nome de seu partido, o mais beneficiado pelo esquema, segundo as investigações da Polícia Federal. Maranhão nega.

Aliado de Cunha, o deputado decidiu em fevereiro anular a decisão do Conselho de Ética de investigar Cunha ao acolher um recurso apresentado pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS). Desta forma, o processo voltou praticamente ao início. Trata-se do processo mais longo da história do conselho.

Maranhão atuou pelo impeachment ao lado de Cunha, mas no dia da votação foi pressionado por outro aliado, o governador maranhense Flávio Dino (PCdoB), e votou contra o impeachment. Mesmo assim, Maranhão voltou a compor com Cunha, assim como o PP, que deve ficar com dois ministérios em um eventual governo Temer.

Se Cunha acabar afastado definitivamente do cargo – seja pelo Supremo, seja pelo Conselho de Ética (que avalia se ele mentiu à CPI da Petrobras) – , o artigo 8º, parágrafo 2º do Regimento Interno da Casa determina que Maranhão precisa convocar novas eleições para a escolha de um novo presidente da Câmara: “Se até 30 de novembro do segundo ano de mandato verificar-se qualquer vaga na Mesa [Diretora], será ela preenchida mediante eleição, dentro de cinco sessões”, diz o texto. “Ocorrida a vacância depois dessa data, a Mesa designará um dos membros titulares para responder pelo cargo.”

Como Cunha – principal membro da Mesa Diretora – foi eleito no dia 1º de fevereiro de 2015, e está distante do dia 30 de novembro de seu segundo ano de mandato, Maranhão não poderia assumir o cargo definitivamente.

Afastamento de Cunha

O afastamento de Cunha foi feito pelo ministro do STF, Teori Zavascki, que concedeu uma liminar a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que classificou o peemedebista de “delinquente”. Segundo Janot, Cunha usaria o cargo de deputado e presidente da Câmara para intimidar agentes públicos, advogados, embaraçar e retardar as investigações contra ele.

O plenário do Supremo iria se reunir ainda hoje para analisar o mérito de um pedido feito pelo partido Rede Sustentabilidade para que ele fosse afastado do cargo. Com a decisão de Zavascki, no entanto, a audiência foi cancelada. Como a decisão do ministro é monocrática, Cunha pode recorrer ao plenário da Corte para que o seu caso seja analisado por todos os 11 ministros.

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort