Notícias

Inconfidência latino-americana [Marcelo Barros]

Inconfidência latino-americana [Marcelo Barros]
A cada 21 de abril, o Brasil para em memória dos homens e mulheres que, no século XVIII, fizeram a Inconfidência Mineira para libertar o país do império português. Nós aceitamos a advertência da História no sentido de  superar certo idealismo na forma de interpretar os inconfidentes e a sua luta. No entanto, mesmo hoje, continuamos a ter de vencer as novas formas de colonialismo que tentam dominar o Brasil e toda a América Latina. Mais do que nunca, é preciso lutar por uma verdadeira “liberdade ainda que tardia”. Atualmente, o império é outro e as condições sociais e políticas do continente são diferentes das que vivíamos no século XVIII. Entretanto, a cada momento, a independência social e política nossa, assim como a de todos os países irmãos da América Latina, conquistada depois de tantas lutas e tanto sangue está em questão. Mesmo autores que não fazem romance de espionagem nem estimulam “teorias da conspiração” concordam que, na América Latina, o governo dos Estados Unidos tem como prioridade retomar uma hegemonia na região. Seu interesse é o controle do comércio, perdido no início dos anos 2000. Quer também, a partir do comércio, exercer novamente uma liderança política que tem muito do velho colonialismo. Mesmo se as ações são clandestinas e disfarçadas, qualquer pessoa minimamente informada sabe que, em pleno século XXI, através da sua embaixada em nossos países, o governo dos Estados Unidos continuam a suscitar e financiar constantemente golpes de Estado e desestabilização social e política em nossos países. A História já comprova o financiamento norte-americano no golpe militar em Honduras, (2009) e no Paraguai (2012). Sinais evidentes apontam para financiamento norte-americano da campanha do atual presidente da Argentina. E, como diz Jesus, “até as pedras vão gritar” que a embaixada dos Estados Unidos financia a oposição, na Venezuela, ao governo bolivariano e na Bolívia e Equador tenta tudo para destruir o novo caminho iniciado com governos mais populares.
O sociólogo Paulo Canabrava Filho escreve: “Junto com Chile, Colômbia, México, Costa Rica e Panamá, o Peru assinou a “Aliança do Pacífico”, acordo de cooperação política, militar e de inteligência, assim como de livre comércio com os Estados Unidos. E o governo norte-americano já instalou 12 bases miliares em território peruano, com o pretexto de combate ao narcotráfico. O  número de marines desembarcados (ou invasores?) pode chegar a dez o doze mil” (Revista Diálogos do Sul, março 2016). No Equador, o presidente Rafael Correia declarou que o seu país está totalmente aberto a que os Estados Unidos instalem bases militares no Equador desde que também o Equador possa instalar bases militares suas em território norte-americano.
Do mesmo modo, nos dias turbulentos que vive o Brasil, é preciso ver o que está por trás de tudo o que está acontecendo. O mais importante de tudo não parece ser a luta contra a corrupção, já que muitos dos que a lideram estão mais do que envolvidos na mesma corrupção que fingem combater. A própria questão do impedimento também não parece ser a meta da luta. Quem conhece as tramas do império em outros países sabe que, por trás de toda essa luta para criar o caos no Brasil, o projeto é impor outra política econômica e social. Trata-se de mudar as leis trabalhistas, em prejuízo dos assalariados, principalmente, revogar a política de valorização do salário mínimo, atualmente em vigor. Querem implantar a terceirização irrestrita da mão-de-obra e entregar as reservas de petróleo do pré-sal às empresas transnacionais, como defende o senador José Serra. Também é urgente privatizar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. O Império deverá introduzir o ensino pago nas universidades federais, como primeiro passo para a sua privatização. Nada disso se fará se não se reprimir os movimentos sociais e a liberdade de expressão na internet. É claro que se terá de expulsar os cubanos e outros estrangeiros que trabalham no Programa Mais Médicos. Além disso, dar sinal verde ao agronegócio para expulsar os indígenas de suas terras. Acima de tudo, precisa eliminar a política externa independente e retomar o papel que o Brasil tinha antes de serviçal dos Estados Unidos. É isso que está em jogo e muitos brasileiros não querem ver.
Quem crê em Deus sabe que ele sempre vê a realidade a partir dos mais empobrecidos e carentes. Ao defender os interesses dos pequeninos, Jesus se coloca do nosso lado ou junto com as vítimas do projeto social e político que defendemos.
 

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini

Seu carrinho está vazio.

×