Notícias

Carta ao Padre Julio Lancelotti

Não há nenhuma novidade na perseguição que algumas figuras da elite e agora na Câmara Municipal de São Paulo movem contra o padre Júlio Lancelotti. Quem acompanhou a trajetória da Irmã Dulce dos Pobres, em Salvador, embora fossem tempos diferentes e o modelo de trabalho pastoral entre a irmã Dulce e o padre Júlio também eram diversos, mesmo assim, as crônicas apontam que figuras do legislativo baiano a acusavam de tudo o que era negativo e do mal. Como diz o evangelho, “felizes sereis vós, quando, mentindo, disserem todo mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque assim também eles trataram os profetas que atuaram antes de vós” (Mt 5, 12).

Em seu livro, “O Jesus Histórico”, o teólogo evangélico alemão Gerd Theissen (Ed. Loyola, 2002) afirma que alguns dos apóstolos de Jesus eram mais ou menos pessoas marginalizadas pela sociedade e que teriam vivido como “pessoas de rua”. A expressão Boanerges é o apelido dado por Jesus aos dois irmãos Tiago e João que, em geral, nossas versões do texto traduzem como “filhos do trovão” (Mc 3, 17). Convertendo essa expressão ao aramaico, o exegeta alemão afirma que Jesus pode ter querido dizer “filhos do deserto”. Seria a expressão usada para designar pessoas em situação de rua. E é nesse contexto que, em determinado momento, Jesus afirma: “O Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça” (Lc 9, 58). Nessa afirmação, o Filho do Homem pode ser traduzido simplesmente por “O humano”, ou seja, Jesus, mas também as pessoas que estavam com ele.

Em tal compreensão do evangelho, a Pastoral da Rua teria sido a primeira pastoral do movimento de Jesus. É claro que, historicamente, não dá para equiparar a situação de rua em uma aldeia da Galileia do primeiro século da nossa era com a realidade enfrentada pela enorme e crescente população de rua na atual região central de São Paulo. Tal diferença só torna mais premente e bem mais essencial que, como nos primeiros séculos da Igreja falou o diácono Lourenço a ser interrogado sobre os possíveis tesouros que a Igreja possuiria em Roma. São Lourenço respondeu sem hesitar: “Aí está o tesouro da Igreja”. E apontou para as pessoas mais pobres entre os pobres.

Na América Latina, a 2ª conferência dos bispos católicos em Medellín, Colômbia, 1968, definiu que a Igreja deve ser serviço libertador para todo o povo e a pastoral não é apenas um instrumento para trazer pessoas à fé cristã e sim um serviço para que as pessoas possam se libertar de tudo o que as oprime (Cf. Med 5, 15). A partir daí, a Pastoral Indígena deixou de ser um trabalho para catolicizar os indígenas e sim um serviço para ajudá-los na sua luta pela terra e pela sua autonomia cultural. A Pastoral da Terra vai além da catolicizaçao antes praticada pela pastoral rural. Também o trabalho pastoral com o povo da rua segue essa orientação.

Em algumas cidades brasileiras, desde os anos 1960, oblatas e oblatos beneditinos iniciaram o trabalho da OAF – Organização do Auxílio Fraterno. Jovens saíam em grupo pelas ruas à noite oferecendo sopa ou cafezinho às pessoas que jaziam pelas calçadas. Nas décadas seguintes, a esse tipo de presença gratuita e amiga, se juntou uma organização para juntar os catadores de material reciclável em cooperativas e a formar organizações de solidariedade. Júlio Lancelotti representa a arquidiocese de São Paulo nesse trabalho e atua com uma equipe leiga e voluntária de grande valor. Ao atacar o padre Júlio e afirmar inverdades e todo tipo de injúrias sobre a pessoa dele e o seu trabalho, esses inimigos do povo desconhecem que há todo um trabalho comunitário que vai além da pessoa do padre Júlio e estão apenas repetindo o que os racistas fizeram contra Nelson Mandela na África do Sul na época do apartheid e contra o pastor Martin-Luther King nos Estados Unidos na sua luta pacífica e não violenta pelos direitos civis do povo negro. De fato, hoje, Nelson Mandela e Luther-King são considerados heróis que receberam o Prêmio Nobel da Paz. Os seus detratores nem têm mais seus nomes escritos na história. Só a justiça e o direito permanecem.

 

Padre Júlio Lancelotti, querido irmão amigo e companheiro de caminhada,

Como diz o livro do Apocalipse: você é irmão e companheiro na aflição e no testemunho de Jesus e do reinado divino no mundo (Ap 1, 9). O profeta João estava prisioneiro na ilha de Patmos por seu testemunho do Cristo. Você está a toda hora sofrendo perseguições e todo tipo de calúnia pelo fato de viver e testemunhar o amor de Deus pelas pessoas empobrecidas e marginalizadas nas ruas e praças de São Paulo. Diante do tamanho da desumanidade da elite e das pessoas que a representam no legislativo local, estadual e federal, só podemos nos unir de coração a você e afirmar como diz o Batista no quarto evangelho: “Eu vi descer sobre você, descer suavemente, como um voo de pomba, o Espírito de Deus e vi que desceu e permanece em você” (Jo 1, 34).

Júlio, você e toda a equipe de Pastoral da Rua, contem afetiva e efetivamente com o meu apoio e o dos irmãos e irmãs jovens que fazem comigo a Secretaria Ecumênica.

Seu irmão, Marcelo Barros


Foto: Alexandre Battibugli/Veja SP

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort
×