Notícias

Hosana ao Filho de Davi!

Chegamos à semana santa de 2024. Sou chamado a fazer algo em que a minha alma se deita, refletir sobre o Evangelho de Jesus de Nazaré. Nesse diapasão, mais importante do que refletir sobre a páscoa do ocidente cristão, é tentar mergulhar na profundidade do seu significado. A busca desse sentido crístico da festa me leva de volta à Jerusalém do ano 33 da nossa era, onde tudo começou. O nazareno, montado num jumentinho, entrava pela porta principal da cidade, aclamado como um rei. A multidão levantava as folhas de palmeiras cantando “Hosana ao Filho de Davi” enquanto o aclamava como o Messias que finalmente havia chegado para salvá-los do domínio de Roma. Aquela gente palestina, de rostos marcados pelo sofrimento e pelo desencanto com os governantes do mundo, agora se reconhecia naquele Rei, montado num jumento. Enquanto isso, as castas que governavam a cidade destilavam o veneno da inveja, inconformadas com as honrarias concedidas a um galileu campesino, vindo da periferia, morador de Nazaré.

Enquanto era acolhido pela multidão e rejeitado pelas castas do templo, Jesus permanecia sereno, focado no objetivo da sua missão: consolidar os fundamentos do Reino de Deus num mundo dominado pela paz violenta do império! Para isso, o rei periférico, radicalizado em sua humanidade/divindade, sabia que a travessia precisava ser realizada. O sentido profundo da páscoa haveria de ser confirmado afim de permanecer, para sempre, como o registro da participação amorosa da divindade na história humana. Um sentido indelével, cheio de simbolismo libertador, afinal, são os símbolos que dão significado à existência, onde o ser humano protagoniza a história. Por isso, o REI vinha montado num jumentinho, ao invés de conduzido numa carruagem real. Fez assim, para mostrar que seu governo tem a cara, o jeito e o cheiro das pessoas mais simples do povo.

Não canso de me surpreender com o salvador que vem de Nazaré. Ele é o ungido de Deus! Proclamado pelas Escrituras como Rei dos reis e Senhor dos senhores, se revela no carpinteiro periférico de Nazaré, incrivelmente humilde, que deseja estabelecer seu trono no coração humano. Ele deseja que o reconheçamos nas outras pessoas, “nazarenos” como ele, independentemente da camada social,  religião, origem étnica, orientação sexual, ou qualquer outra diferença que nos desumanize. Naquele dia, na entrada de Jerusalém, o galileu inaugurou um sentido profundo de pertencimento a um outro tipo de reino, diferente dos reinos humanos, um reino cujo REI se tornou como um de nós!

Agora sim, as palavras da profecia fazem sentido! Olhando para o Rei montado no jumento, celebrando a chegada de uma nova humanidade, inaugurada em sua própria vida, consigo entender as palavras do profeta ditas muito antes de Jesus nascer:

“Alegre-se muito, povo de Sião! Moradores de Jerusalém, cantem de alegria, pois o seu rei está chegando. Ele vem triunfante e vitorioso; mas é humilde, e está montado num jumento, num jumentinho, filho de jumenta.” (Zacarias 9:9).

Convido você que lê estas linhas a viver, uma vez mais, o sentido libertador do Páscoa do Salvador Jesus. Segura na minha mão e acolhamos o Senhor. Ele é um de nós!

** Texto adaptado do livro (do autor) Café Com Esperança – Para deixar a vida mais leve, publicado pelo CEBI.

Lenon Andrade é membro do CEBI /PB e pastor da Comunidade Batista do Caminho (CBC) em Campina – Paraíba.

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

×