Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

A pastoral da Terra e a Páscoa

A pastoral da Terra e a Páscoa
9 de abril de 2018 Centro de Estudos Bíblicos
Leia o texto de Marcelo Barros para esta semana.

Há quem se pergunte que sentido tem a Igreja Católica ter no Brasil uma Pastoral da Terra. Chama-se Pastoral o cuidado de uma Igreja Cristã representada por seus fieis leigos e seus ministros com a comunidade humana. Em uma concepção rígida e estreita, a Terra não poderia ser objeto de pastoral, porque só quem é humano pode ser evangelizado. No entanto, atualmente, a sociedade civil mais esclarecida fala em direitos da Terra, da Água e da natureza. Se como planeta e também como território rural, a Terra é sujeito de direito à vida, à integridade e à saúde, ela também deve ser sujeito de cuidado e, portanto, de pastoral. Por isso, a Pastoral da Terra é o cuidado com a Terra, a Água, a vida que a envolve e a comunidade humana que a habita.

A espiritualidade ecológica nos ensina que a Terra, a Água e a vida no campo são sacramentos da presença amorosa do Espírito. Portanto, são instrumentos e mediações da relação entre as comunidades, assim como da relação das pessoas com Deus. Cuidar dessa relação é fazer Pastoral da Terra. No Brasil, essa pastoral foi criada em 1975, quando o governo militar brasileiro falava em “ocupação da Amazônia” e se intensificava a opção por uma agricultura de exportação que deu origem ao agronegócio e significou a expulsão de muitos lavradores e suas famílias de suas terras. A Comissão Pastoral da Terra (CPT) surgiu para ligar fé cristã e exigência de justiça social no campo e para ser o rosto amoroso das Igrejas na defesa dos pequenos lavradores, posseiros e sem-terra.

Mais de 40 anos depois, os conflitos no campo se tornaram ainda mais agudos e é cada vez mais necessária e urgente uma estrutura de Justiça no campo. A reforma agrária pode contribuir para a redistribuição das riquezas, evitar o êxodo rural e estimular uma agricultura ecológica e sustentável. O Brasil poderia seguir o exemplo de diversos países asiáticos que, há décadas, fixaram limites para o tamanho da propriedade rural. Na Coréia do Sul é de três hectares. No Japão, varia de um a dez hectares, conforme o acesso á irrigação. (…) Já no tempo do império, Joaquim Nabuco e outros liberais falavam na necessidade de uma reforma agrária no Brasil. No entanto, essa discussão sempre foi barrada. A elite agrária brasileira é muito forte e com interesses contrários a isso. A maioria dos governos sempre favoreceu a elite rural.

A ONU proclamou o dia 17 de abril como “dia internacional da luta camponesa”, um 1º de maio dos camponeses. Assim, ela reconhece, no aniversário do massacre dos lavradores sem-terra de Eldorado de Carajás no Pará (17 de abril de 1996), um marco para a luta dos camponeses do Brasil e do mundo inteiro. Apesar de que, no Brasil, movimentos populares e especialmente de lavradores pobres continuam sendo discriminados e criminalizados por certos órgãos de imprensa, organismos internacionais idôneos e respeitados reconhecem os benefícios imensos que a caminhada dos lavradores sem terra e dos pequenos proprietários tem significado para o campo brasileiro.

A revalorização das sementes crioulas, a promoção da agroecologia e a instauração de cooperativas camponesas têm respondido à esperança de todas as pessoas que trabalham por um mundo mais justo e em comunhão com a natureza. Onde há mais cooperativas deste tipo e onde elas são mais eficientes tem sido no campo. A maioria é coordenada pelo Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST).

Entidades européias, bem informadas e competentes na defesa dos direitos humanos, têm conferido prêmios internacionais prestigiosos ao Movimento dos Trabalhadores pela prioridade que este movimento dá à educação e, concretamente, aos êxitos que tem conseguido neste setor.

Mais de 70% da comida consumida pelo povo brasileiro vem da pequena agricultura familiar e não do agronegócio que existe preponderantemente para a exportação.

Nesses dias em que celebramos a Páscoa, as comunidades do campo e os movimentos sociais se unem à Igreja Católica e outras Igrejas cristãs no Brasil para protestar contra a prisão injusta do padre José Amaro Lopes de Souza, da Pastoral da Terra do Pará, pároco de Anapu e continuador do excelente trabalho da irmã Dorothy Stang, mártir na defesa do povo do campo e da Amazônia. A prisão feita sob encomenda de grandes fazendeiros e sob pretexto de acusações injustas e infundadas, reedita para nós a prisão e condenação de Jesus.

A celebração da Páscoa traz para o padre Amaro e para todos nós que poderíamos ser presos com ele porque estamos na mesma caminhada e defendemos a mesma transformação do mundo vigente a certeza de que Jesus ressuscitado está conosco e nos chama para a Galileia, isso é, para o compromisso com os lavradores e com a causa da Terra. Aos cristãos de Roma, Paulo escreveu: “Não vos conformeis com este mundo (seu sistema e suas leis), mas transformai-o” (Rm 12, 1ss).

O evangelho de Jesus diz: “Procurai o reino de Deus e sua justiça e tudo o mais virá por acréscimo” (Mt 6, 33).

Acompanhe o autor pelo site Encontro com Marcelo Barros.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini