Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Afinal, quem estuda nas universidades federais?

Afinal, quem estuda nas universidades federais?
17 de maio de 2019 Comunicação

por Filipe Mendonça para Carta Maior*

Ontem a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES) e o Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assistência Estudantil (Fonaprace) fizeram uma coletiva de imprensa para falar sobre o Perfil do Graduando das Universidades Federais. Você pode assistir a coletiva na íntegra aqui. Será que a universidade pública serve apenas para os mais ricos?

Segundo os pesquisadores, a coleta dos dados durou quatro meses e a análise mais seis. Pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) coordenaram a pesquisa com a participação de inúmeros especialistas espalhados pelo Brasil. Foram coletados dados de 420 mil estudantes em 63 universidades federais.

E o que dizem os pesquisadores?

Os dados mostram que desde 2014 a maioria da população universitária é preta e parda, graças às políticas afirmativas. Em 15 anos (2003-2018), as ações afirmativas elevaram o percentual de estudantes pretos e pardos de 34,2 para 51,2%.

Os pobres são maioria também: 26,61% da comunidade tem faixa de renda mensal familiar per capita de até meio salário mínimo; 26,93% de até 1 salário mínimo; Somados, 70,2% dos/as estudantes são POBRES (até 1,5 salário mínimo per capita)!

A série histórica mostra uma mudança significativa: de 2010 para 2018, a população de até 1,5 salário mínimo evoluiu de 43,7% do total dos estudantes para 70,2%. A universidade está de fato em transformação pois tem abraçado cada vez mais os pobres deste país.

Os dados também mostram que as escolas públicas colocam a maior parte dos estudantes nas federais: 64,7% dos universitários federais chegam das escolas públicas e 35,3% chegam de escolas particulares. Novamente, as políticas de cotas ajudam a explicar esta transformação.

A trajetória histórica é importantíssima e mostra uma transformação profunda: Em 2003 apenas 37,5% dos estudantes das federais vinham de escolas públicas. Em 2014 o número de estudantes que estudaram exclusivamente em escolas públicas chegou em 60,16%!

Outro dado importante é a escolaridade de mães e pais dos universitários: 66,2% dos pais e 62,7% das mães dos estudantes estudaram até o ensino médio. A maior parte dos estudantes que se formam levam para casa o primeiro diploma de ensino superior da família.

A universidade também distribui renda: 54,1% deles participam de atividades ou programas acadêmicos, sendo que 24,1% deste universo conta com algum tipo de remuneração. A assistência estudantil (PNAES) também alimenta os estudantes pobres, promove cultura, esporte, transporte, habitação etc.

Os dados mostram que o ódio às universidades é ódio de classe, é ódio à cultura, é ódio à diversidade, é ódio à ciência! Os cortes promovidos pelo governo de Bolsonaro impactarão primeiro os estudantes mais pobres, aqueles que dependem da assistência estudantil.

Parabéns Andifes e equipe pela pesquisa. Segundo a entidade, a base de dados estará disponível ao público nos próximos dias. Os achados da pesquisa mostram com precisão o que é de fato a universidade federal no Brasil. Balbúrdia só existe mesmo no governo federal!

Filipe Mendonça é professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Publicado originalmente por Carta Maior.

Liga228 situs judi bola merupakan situs judi bola online dengan pasaran terlengkap.

Kunjungi situs judi bola terlengkap dan terupdate seluruh asia.

Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Game situs slot online resmi

slot hoki terpercaya

slot terbaru

rtp slot gacor

agen sbobet terpercaya

slot online judi bola terpercaya slot online terpercaya judi bola prediksi parlay hari ini