Bem vindo(a) ao CEBI ! (51) 3568-2560

Adidas lança material da Copa com conotação machista

Adidas lança material da Copa com conotação machista
Adidas lança material da Copa com conotação machista
26 de fevereiro de 2014 Centro de Estudos Bíblicos

A Adidas lançou uma linha de camisetas inspiradas na Copa do Mundo que está causando revolta nas redes e até mesmo no alto escalão do governo. Isso por que as ilustrações possuem conotações sexuais e foram entendidas como apologia ao turismo sexual. De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, a Embratur vai formalizar uma reclamação com a matriz alemã.

Os produtos estão disponíveis no site alemão da Adidas e uma das camisetas, de cor verde, vem ilustrada com a frase “Eu amo o Brasil”, mas o desenho remete na verdade a uma bunda feminina. Na outra camiseta, o slogan é “Lookin to score”, que pode ser entendido como fazer gols  ou corresponde ao ato de conquistar mulheres.

Ao O Globo, Flavio Dino, presidente da Embratur, declarou que não vai permitir que a Copa seja utilizada para práticas ilegais. De acordo com ele, “no Brasil existem leis duras para reprimir abusos sexuais e as polícias irão atuar nesses casos no território nacional. O povo brasileiro é acolhedor e temos certeza de que aqueles que nos visitarão irão respeitar o Brasil”, disse o representante da Embratur.

As ativistas do grupo Católicas Pelo Direito de Decidir lançaram uma campanha de repúdio: “Com Turismo Sexual, #NãoVaiTerCopa” e classificaram os produtos como “asquerosos”. “O machismo asqueroso que violenta meninas e mulheres no Brasil e no mundo agora é vendido nas estampas de camisetas da Adidas nos EUA com aval da Fifa”, declarou o coletivo em sua página no Facebook.

Até o momento a Adidas não se pronunciou sobre o assunto.

O CEBI repudia toda e qualquer tentativa de mercantilização do corpo da mulher e de todo ser humano. O boicote ao produto desse tipo de empresa é uma atitude profética e evangélica. Cabe mencionar que o Governo Federal está tentando proibir propagandas com esse tipo de apelo.

Confira o site Católicas pelo Direito de Decidir, clique aqui.