Artigos e Reflexões

8 de Março e a Pandemia.

Por Valéria Vilhena*

 

Há mais de um século, mulheres na Rússia, Estados Unidos e Europa se organizaram coletivamente com greves, manifestações para os enfrentamentos contra as desigualdades, contra a hierarquia de poder, contra esse sistema de guerra contra a vida. Em 1917, em meio a Primeira Guerra Mundial, as mulheres russas realizaram seu Dia da Mulher, que no calendário ocidental era 8 de março! Mas muito antes, aqui na América Latina, mulheres indígenas e negras, quilombolas, ribeirinhas, castanheiras, do campo e da cidade já estavam em luta pela vida contra a colonização que dizimava o sustento, os territórios-corpos. 

 E nós mulheres de fé e luta continuamos esse legado das nossas ancestrais de Abya Ayla e África. E nesse 8 de março, com a pandemia global temos ainda muitas pautas em comum com as mulheres que vieram antes de nós. Nessa pandemia metade das mulheres brasileiras passou a cuidar de alguém, conforme evidenciado na pesquisa da Gênero e Número e da Sempreviva Organização Feminista a qual revelou, como essa “crise econômica versus isolamento social” é um falso discurso. Não há honestidade política quando se cria oposição às recomendações de isolamento social em meio a uma pandemia global, em nome de: “a economia não pode parar”; se faz necessário dar condições para esse isolamento social necessário, especialmente às mulheres. 

 O trabalho de nutrir, cuidar da vida nunca parou e nem poderia parar. São cuidados que sustentam a vida, os quais foram intensificados na pandemia. O que ocorre é que esses trabalhos não são valorizados, visibilizados, não são considerados produtivos nesse sistema capitalista, que é máquina de moer gente, a natureza e seus seres. As políticas econômicas do país resistem em possibilitar o cuidado com a própria vida. E as mulheres em meio a pandemia do COVID-19 ficaram mais sobrecarregadas com as tarefas do cuidado. Nessa mesma pesquisa foi apontado que 41% das mulheres entrevistadas responderam que estavam trabalhando mais do que antes da quarentena. 

 Esse dado desvela a dimensão da vida que não é absorvido ou medido pelo acúmulo de renda que perpetua as desigualdades. O mercado se sustenta, inclusive, pela exploração do trabalho das mulheres, especialmente mulheres negras e, sobretudo do trabalho não remunerado das mulheres, que é o de nutrir a vida. Mas o que é a vida para a economia que privilegia o mercado?  

 Luiza Batista, presidenta da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas e do Sindicato das Domésticas de Pernambuco afirma: 

 “Apesar de saberem que os empregadores estão abusando, elas se sentem pressionadas a cumprir essa exigência [de continuar trabalhando] porque dependem dessa renda para alimentar os filhos e para manter a casa.” 

 E vejam, 58% das mulheres desempregas são mulheres negras. São as desigualdades raciais e de renda atravessando a vida e o trabalho das mulheres na crise da COVID-19. Reconheçamos que são as mulheres que estão no centro do cuidado da vida e por isso esse trabalho é desvalorizado. 

 Como mulheres de fé e luta precisamos anunciar que o reino de Deus é semelhante “ao fermento que uma mulher misturou com uma grande quantidade de farinha, e toda a massa ficou fermentada”. (Lucas 13,20-21) A quantidade de fermento é pouca, mas dissolvida e misturada na massa faz crescer. A ação histórica das mulheres, embora invisibilizada, negada, desvalorizada, desprezada e até demonizada faz crescer a massa, faz o pão, mata a fome. Enquanto a opressão, a desigualdade para se manter, mata, o fermento nas mãos das mulheres estimula, desperta, excita para a vida!  

 Mais um ano de luta, de resistência, mais um 8 de março que as mulheres de fé se movimentam nesse sistema que é sustentado pela exploração e morte de tantas mulheres. Vamos criar cada vez mais redes de apoio para esse tempo de lonjura, distanciamentos; criemos redes de amor e compromisso que nos façam esperançar para dias melhores, dias mulheres! 

 ___ 

Valéria Vilhena é teóloga, feminista, cristã. Engajada no movimento ecumênico, é parceira do CONIC em várias atividades que envolvem mulheres e empoderamento. E é uma das fundadoras do coletivo Evangélicas pela Igualdade de Gênero (EIG). 

  

 Artigo publicado no site do CONIC: https://conic.org.br/portal/noticias/3788-8-de-marco-e-a-pandemia-por-valeria-vilhena 

situs judi bola AgenCuan merupakan slot luar negeri yang sudah memiliki beberapa member aktif yang selalu bermain slot online 24 jam, hanya daftar slot gacor bisa dapatkan semua jenis taruhan online uang asli. idn poker slot pro thailand

Seu carrinho está vazio.

mersin eskort